sexta-feira, 14 de maio de 2010

Teoria Tradicional e Teoria Crítica


“Em meu ensaio “Teoria Tradicional e Teoria Crítica” apontei a diferença entre dois métodos gnosiológicos. Um foi fundamentado no Discours de la Méthode [Discurso sobre o Método], cujo jubileu de publicação se comemorou neste ano, e o outro, na crítica da economia política. A teoria em sentido tradicional, cartesiano, como a que se encontra em vigor em todas as ciências especializadas, organiza a experiência à base da formulação de questões que surgem em conexão com a reprodução da vida dentro da sociedade atual. Os sistemas das disciplinas contém os conhecimentos de tal forma que, sob circunstâncias dadas, são aplicáveis ao maior número possível de ocasiões. A gênese social dos problemas, as situações reais nas quais a ciência é empregada e os fins perseguidos em sua aplicação, são por ela mesma consideradas exteriores. – A teoria crítica da sociedade, ao contrário, tem como objeto os homens como produtores de todas as suas formas históricas de vida. As situações efetivas, nas quais a ciência se baseia, não são para ela uma coisa dada, cujo único problema estaria na mera constatação e previsão segundo as leis da probabilidade. O que é dado não depende apenas da natureza, mas também do poder do homem sobre ele. Os objetos e a espécie de percepção, a formulação de questões e o sentido da resposta dão provas da atividade humana e do grau de seu poder.” (Max Horkheimer, Filosofia e Teoria Crítica, 1968).

Link disponível para baixar a obra:
http://www.4shared.com/file/242387590/15fcef31/16306849-Horkheimer-M-Teoria-c.html
(em espanhol!)

Um comentário:

Nelson Viana disse...

Li este texto e é um dos melhores já produzidos. Horkheimer consegue ser pragmático na explicação da teoria tradicional e teoria crítica que fica dífícil discordar do mestre. Parabens pela postagem.